O GUERREIRO WELLINGTON

Saudações Tricolores, Nação Soberana!

Tudo parecia ir bem para o volante Wellington. Capitão da seleção sub-20, eleito o melhor jogador da Copa Mediterrâneo. Isso até uma grave lesão no joelho, ocorrida ainda em junho de 2010, minar as suas chances de participação do Sul-Americano Sub-20. Na fase final de sua recuperação, o garoto foi esquecido na pré-lista anunciada por Ney Franco.

Do fim de 2010, Wellington teria pouco mais de sete meses para voltar aos planos do treinador. Primeiro, precisaria provar que estava totalmente inteiro do problema físico. Completada esta etapa, o desafio era retomar o espaço perdido na equipe principal do São Paulo. E agora que tudo se encaminha no clube, o jovem é mais uma vez forte candidato a um lugar no meio-campo da seleção no Mundial Sub-20 deste ano.

O são-paulino, é verdade, sempre contou com bastante moral nas seleções de base. Convocado tanto por Rogério Lourenço quanto por Luiz Verdini, o jogador entrou nas quatro primeiras listas feitas para a geração /91. E sempre foi titular. Vice-campeão na Copa Mediterrâneo de 2009 e no Torneio de Punta de 2010, campeão e MVP da Copa Mediterrâneo de 2010. Wellington ainda passou por um período de treinamentos em junho de 2010, quando sofreu a dura lesão no joelho.

Desde então, foram oito meses de fisioterapia e exercícios para que pudesse voltar a campo. A primeira oportunidade veio no começo de março, entrando no meio do segundo tempo contra o São Caetano pelo Paulistão. Foi titular contra o Ituano na partida seguinte, substituído no intervalo, e fez seu primeiro jogo completo na rodada final do Estadual, ao lado de um time misto do São Paulo.

A evolução de Wellington, porém, mostrou seu estágio final no último fim de semana, na estreia do Campeonato Brasileiro. Compondo o trio de volantes ao lado de Casemiro e Carlinhos Paraíba, o garoto teve uma atuação destacada, mesclando saída de bola segura e qualidade nos desarmes. Os comentários de Paulo César Carpegiani dão uma boa ideia do que o camisa 28 apresentou durante os 90 minutos: “O Wellington fez uma partida espetacular. O Conca pegou três vezes na bola, ele anulou a criação do Fluminense. Ele foi muito bem. E agora, como tirar?“.

A fama do jovem no Morumbi, aliás, vem desde os tempos da base. Testado no time principal desde 2009, contudo, não agradou, fosse com Muricy Ramalho ou Ricardo Gomes. A explicação, no entanto, é bastante compreensível: comparado com Mineiro pela qualidade como volante, quase sempre que entrou foi como ala, lateral ou meia. Sem sucesso. Somente agora, em seu retorno, é que Paulo César Carpegiani parece ter avistado os predicados do garoto na cabeça de área.

Por enquanto, a concorrência de Wellington no meio-campo tricolor é composta basicamente por garotos formados em Cotia. Além de Carlinhos Paraíba e Casemiro, titulares na posição, Zé Vítor e Rodrigo Caio também integram o elenco profissional. A última atuação, porém, alçou o camisa 28 a um patamar acima dos últimos dois, podendo até mesmo cavar seu espaço no 11 inicial. Uma das opções para a sua entrada seria a variação tática com três volantes, dando liberdade para Carlinhos e Casemiro, como ocorreu no domingo. Isso se não ganhar uma vaga como primeiro homem do meio-campo, em uma formação com dois volantes.

O próximo passo é, naturalmente, a volta à seleção sub-20. Com o Mundial se aproximando cada vez mais, Ney Franco não deverá ter muito tempo para testes até lá. Talvez apenas uma pré-lista, antes de definir os 21 nomes. Casemiro e Fernando parecem assegurados depois das boas atuações no Sul-Americano. Fica aberto, teoricamente, um lugar no time, já que Zé Eduardo não agradou quando teve oportunidade. E é aí que Wellington surge como uma das principais opções.

Dentre seus principais trunfos na disputa estão a qualidade técnica, combinada à boa condição física e ao empenho dentro de campo. Uma sequência neste início do Brasileirão pode aumentar a sua visibilidade com Ney Franco, já que Wellington tem a seu favor ainda a experiência na própria seleção sub-20 e o fato de ter sido até capitão com a amarelinha. Depois de um ano da lesão, a convocação mostraria que os sacrifícios feitos ao longo dos oito meses que esteve fora não foram em vão.

Um abraço,

@Henrique_SPFC12

SERÁ QUE ESSE ANO VAI?

Saudações queridos tricolores… 

Passada as decepções do ano corrente, o que temos pela frente um novo campeonato, e sempre no começo todos perguntam: Quem será o Campeão? Quem será o grande vencedor? É uma pergunta meio difícil de responder, pois ainda é cedo para saber quem será o grande campeão, muitos jogos pela frente virão, até término do campeonato muita coisa pode mudar… muita coisa pode ser determinante para saber quem se consagrará: o CAMPEÃO

E diante disso, o que esperamos do meu, do seu ou do nosso time? 

Determinação, raça e coragem… Sim, precisamos de todos esses itens para podermos superar grandes desafios que irão surgir pela frente, desafios esses que irá mexer com todos os nossos sentimentos, sentimentos que se transpõe além daquilo que possamos imaginar, será que estaremos preparados para tudo isso? 

Sim, eu espero estar preparada para cada vitória, cada ponto conseguido, sabemos que independente do que vai ocorrer daqui pra frente, o que eu quero é que as derrotas sejam coisas do passado, se vierem não deixaremos nos abater levantaremos a cabeça e  continuaremos prosseguindo com o nosso objetivo, para que  possamos realizar um campeonato digno, sim um campeonato que possamos nos orgulhar cada vez mais, nos orgulhar das  vitórias conquistadas, nos orgulhar de ver nosso time suar a camisa pra conquistar os pontos, nos orgulhar de ser são paulino de corpo, alma, mente e coração, mas para isso ser alcançado precisamos mais do que nunca estarmos todos unidos, vibrando e torcendo para que o nosso time reaja cada vez mais e que não retroceda até o término dele. 

E vocês queridos tricolores acha que esse ano vira? 

Ótima semana a todos.

 Diii

@diii29: Paraense, eterna criança, jogadora de futsal e acima de tudo São Paulina de corpo, alma e coração. É colunista no Soberanos, escrevendo suas colunas às segundas.

QUANDO TUDO ESTA PERDIDO

Saudações Tricolores!!

 

Já diria o mestre Renato Russo: “Quando tudo está perdido, sempre existe um caminho, quando tudo está perdido, sempre existe uma luz…” Foi essa a sensação que tive quando o “São Lucas” fez aquele gol quase aos 48min do segundo tempo, dando a vitória ao tricolor e nos livrando de um péssimo resultado. Sim, empatar em casa com o Figueirense eu considero um resultado ruim, sem hipocrisia de menosprezo.

O jogo foi muito aquém do esperado, depois da grande atuação contra o Fluminense. Esperava-se que, em casa, contra um adversário “inferior”, o jogo fosse mais fácil, com grandes atuações e vitória larga. Ledo engano. Primeiro tempo truncado, sem chances de gol reais, e um empate merecido. Segundo tempo o Carpegiani fez o que uma boa parte da torcida vem pedindo há tempos, colocou Rivaldo pra jogar o segundo tempo inteiro. Além dele, entrou Marlos. O jogo melhorou, mas ainda nada que de fato, fosse efetivo. O Figueirense também melhorou nos minutos finais e deu trabalho lá atrás. Fato é que Lucas, o São Lucas, conseguiu um feito que nem o mais otimista torcedor são-paulino imaginava acontecer, já aos 48min do segundo tempo. Fez um golaço. A bola pegou um efeito no caminho e matou o goleiro Wilson, para surpresa, alegria e euforia dos quase 10mil tricolores que estavam passando frio no estádio, ou menos, visto que alguns têm o costume de sair antes do apito final. E perderam justamente o que valeu o ingresso e também os 3 pontos importantíssimos na rodada.

 

Vídeo gol:

ARVE Error: no id set

 

Ou o link do video: http://youtu.be/DGyDP8hgcsY

 

 

Lucas, sempre ele, só ele. Ultimamente tem sido esse garoto, a salvação do time, que adquiriu uma certa dependência do seu futebol. Não que isto seja de todo, ruim, mas é preocupante, sendo que ele desfalca o time tendo que servir à seleção brasileira, e, como já não bastasse o Sub-20, agora na principal também. E vem a Copa América. E vem o Mundial Sub-20. Ficaremos por longas semanas sem o Lucas, e também muitos outros meninos que hoje, são fundamentais na equipe. Casemiro, Bruno Uvini, Henrique, Willian José, Welligton, e, quem sabe, mais alguns. É o preço que se paga pela qualidade da nossa estrutura, não é mesmo? Diante disso, acho que o SPFC deveria subir para o time profissional mais alguns garotos, adquirir mais alguns bons jogadores nas funções que nos falta e formar um bom elenco, pois o campeonato é longo.

Mas voltando à minha reflexão com a música do Renato, pensar que quando tudo está perdido, sempre existe um caminho, é isso, é o que os jogadores devem ter em mente, acreditar SEMPRE, que eles podem e conseguem. É pensar que se as coisas não estão dando certo de um jeito, mudar. Tentar outra alternativa, outra jogada, um improviso. E isso vale também ao técnico, que ao promover substituições, pense num caminho que leve à vitória, que, muitas vezes, não é o caminho que ele faz sempre, e sim, um alternativo. Reconhecer erros também é encontrar um novo caminho, uma luz no fim do túnel. Encontrar um novo caminho é também apostar no novo, nos garotos que, vem a cada dia dando o melhor de si e se tornando cada vez mais essenciais na equipe. Encontrar um novo caminho também é acreditar na experiência para se chegar ao resultado.

 

 

Enfim, acreditar, que, sempre existe uma luz, é pensar que, mesmo na adversidade, mesmo quando parece não haver mais chances, quando ficamos irritados com derrotas, atuações ruins, erros do técnico e da diretoria, e títulos perdidos, ainda assim, existe uma luz, e essa busca é que não deve cessar. Lucas, acreditou, tentou, buscou esse caminho. E tornou aquilo que parecia perdido, em luz,em esperança. Essegol pode fazer diferença lá na frente, pois o futebol é isso, é adversidade, é busca, é esperança, é trabalho. Aquele único pontinho tornou-se 3, faltando segundos para o término do jogo. E pode ser esses 2 pontinhos a mais, que venham fazer a diferença entre disputar mais uma Libertadores ou não, ganhar o título ou não. O HEPTA.

 

 

Até mais pessoal!

 

@lidi__

 

 

Créditos foto: www.gazetaesportiva.net

Em casa, a festa é nossa!!!

Saudações Tricolores, Nação Soberana…

 

Hoje o “Maior do Mundo”, encara o Figueirense dentro do palco do Majestoso MORUMBI, em busca de 3 pontinhos e quiçá da liderança do Brasileirão.

Com alguns desfalques, o Prof. Carpegiani ao que tudo indica escalará o time no esquema 4-4-2, com Rogério Ceni, Jean, Xandão, Rhodolfo, Juan, Wellington, Carlinhos Paraíba, Casemiro, Lucas, Dagoberto e Fernandinho.

Dentre os nomes relacionados o caso do M1YO Rogério Ceni, inspira cuidados, por conta das dores durante o jogo contra o Fluminense. Mas, o M1TO “arroz de festa”, se preciso for estará em campo ainda que com dores, como já fez no passado, mostrando que dedica raça e amor para honrar o Manto Tricolor.

Outro que desta lista, tem me chamado a atenção, por contas das últimas atitudes, é o Dagoberto, nosso artilheiro está com uma sequência admirável de jogos, com belas atuações, e ainda, demonstrando responsabilidade e comprometimento com o grupo, trabalhando para promover a união dentro e fora de campo, merece destaque a frase:

“Falar menos e, trabalhar mais” (Dagol)

E, é nesta vibe que atuou o SPFC contra o Fluminense… Com o comprometimento demonstrado já deu novo animo ao elenco, renovando assim, a esperança do torcedor.

Por isso, levando em consideração o novo espírito da equipe em campo, chegou a hora do torcedor demonstrar o verdadeiro significado da expressão “TIME DA FÉ”, e, assim lotar o Morumbi, para apoiar e incentivar o time.

Campeonato novo, comportamento novo, todos (torcida e elenco), em busca do Título do Brasileirão para voltar a Taça Libertadores da América.

Morumbi, é a ‘casa’ do torcedor São Paulino, por isso, sintam-se verdadeiramente ‘em casa’.

#vamoSPFC

DARÍO PEREYRA

Em 19 de outubro de 1956, em Sauce, no Uruguai, nasceu um dos melhores zagueiros da

história do futebol. Conhecido pela união de técnica e raça, característica dos jogadores

uruguaios, Alfonso Darío Pereyra começou sua carreira nas categorias de base do

Nacional de Montevidéu, na época como meia. Classe e tranqüilidade definiam bem o seu

jeito de jogar futebol.

Com 18 anos, pasmem, já era capitão no Nacional e da Seleção Uruguaia, na época

como meia armador, talvez daí tenha vindo toda a sua intimidade com a bola. Em 1976 o

São Paulo já tentava sua contratação, no entanto havia uma lei que proibia a saída de

atletas uruguaios antes de 21 anos completados. Darío nessa época tinha apenas 20

anos, era preciso esperar mais um pouco.

Chegando ao tricolor paulista em 1977, Darío gerou enorme expectativa. Em sua estréia,

logo com a camisa 10, todos esperavam uma atuação surpreendente, o que não ocorreu.

Muito peso sobre o garoto, Darío sentiu-se intimidado pela grandiosidade da torcida, pela

distância na família e as dificuldades com o português. Mesmo na conquista nacional de

1977 não rendeu o que era esperado. Em um jogo emocionante contra o Atlético Mineiro.

naquela época o time fantástico formado por Valdir Perez, Getúlio, Tecão, Bezerra e

Antenor; Chicão, Teodoro, Darío Pereyra e Viana; Mirandinha e Zé Sérgio conseguiu o

que poucos acreditavam, faturar a taça em pleno Mineirão, contra um time que não havia

sido derrotado em todo o campeonato.

Depois disso, com uma inconstância muito grande, o craque oscilava entre boas e más

partidas, com algumas contusões entre elas. O São Paulo passou a amargar derrotas

entre 1978 e 1979, a coisa não ia nada bem. Um 1980 a promessa era a de um novo São

Paulo, remodelado, que iria entrar para a história. Na época, em um clássico empatado

contra o Corinthians, sem um quarto zagueiro no banco de reservas para substituir

Gassem, que estava contundido, o técnico Carlos Alberto Silva escalou Darío na posição,

deixando todos apreensivos. 13/07/1980, foi a partir desse dia que Darío mostrou seu

futebol, ele e mais dez. Nesse ano ele foi considerado o melhor jogador do campeonato

paulista atuando como quarto zagueiro, e esse título nós levamos para casa.

Nesse mesmo ano, em um golpe de mestre, o tricolor contratou o zagueiro da Seleção

Brasileira Oscar para atuar ao lado de Darío. E aí formou-se a maior dupla defensiva da

história do futebol brasileiro, entrosamento perfeito, Darío evoluiu. Ambos saíam da área

para fazer gols, e Darío, com habilidade de meia, tinha um chute poderoso e preciso.

Defendendo, era impecável nas divididas e antecipações, não perdia uma bola, ganhava

pelo alto e por baixo! Don Darío Pereyra pode ser comparado ao grande Roberto Dias,

cujo comentário é dispensável.

 

Participou ainda da conquista nacional em 1986, deixando o clube em 1988. A partir daí,

defendeu as camisas de Flamengo em 1988, com rápida passagem, e do Palmeiras em

1989. Já em fim de carreira, jogou no futebol japonês, sagrando-se campeão da Copa do

Imperador em 1990. Como jogador, é conhecido como um dos zagueiros mais técnicos

que já passaram pelo futebol nacional.

Como técnico de futebol, iniciou o trabalho no Maior do Mundo, comandando as divisões

de base, e depois liderando a equipe profissional em 1997. A partir daí treinou Coritiba

(1998), Atlético Mineiro (1999), Guarani (2000), Corinthians (2001), Paysandu (2002 e

2003) e Grêmio (2003).

Sem dúvida Don Darío Pereyra será lembrado para sempre como um dos maiores

jogadores do futebol mundial. Mais que isso, sua identificação com o São Paulo Futebol

Clube é incontestável, o mais querido estará sempre em seu coração, e ele estará sempre

no coração da sua torcida.

Fred Valoz

@fred_valoz

SÃO PAULO A “SALTOS” LARGOS

Foto: CBat

Saudações Tricolores!

E quem disse que o semestre tricolor não foi dourado?? Orgulhem-se, pois nossas cores,vermelho, branco e preto estiveram vibrantes no mais alto do pódio!

Não galera, eu não estou louca! Falo nada mais nada menos da medalhista olímpica e então atleta do São Paulo Maurren Maggi.

Maurren tem o verdadeiro perfil de uma atleta tricolor e vem mostrando isso a cada dia, ou melhor, a cada salto. Prova disso são suas marcas Soberanas no esporte o qual ela pratica:

  • Primeira mulher sulamericana a conquistar uma medalha de ouro individual em Olimpíadas
  • Recordista sulamericana do salto em distância e dos 100 metros com barreiras
  • Melhor atleta do mundo no salto em distância em 1999 e 2003.
  • Melhor atleta da década (2001-2010) pela Revista Sport Life.

Por todos esses méritos, a saltadora se credenciou a nos representar pelas pistas do Brasil e do mundo. Mas nem tudo foi fácil em sua vida, em 2004 quando já era considerada realidade no atletismo, após fazer uso de uma pomada cicatrizante foi pega no antidoping e teve de cumprir dois anos de suspensão.

A atleta deixou de treinar, casou, teve sua filha Sophia e já dava como certo o fim de carreira, no entanto em 2006 resolveu voltar às pistas e voltou para brilhar. Já no Pan do Rio (2007) conquistou o ouro e mostrou que tudo não passava de uma infelicidadee em 2008 nas Olimpíadas de Pequim a consagração da maior atleta brasileira da atualidade.

Em 2010, São Paulo e Nestlé em parceria contrataram Maurren para então abrilhantar não só o tricolor como a carreira da são paulina e trazer de volta ao clube o histórico de conquistas no atletismo.

Pelo São Paulo Maurren já conquistou uma medalha de bronze, uma de prata e quatro medalhas de ouro. Das seis, cinco foram conquistadas em 2011, sendo duas de ouro na última semana em competição em São Paulo e no Rio de Janeiro.

O clube que ostenta trazendo no escudo as glórias de Adhemar Ferreira da Silva pelo seu bicampeonato olímpico no Salto triplo (conversa para o próximo texto), hoje tem com orgulho mais uma campeã.

E por toda sua história no atletismo brasileiro e agora no São Paulo merece nosso reconhecimento.

PARABÉNS, MAURREN! PARABÉNS, TRICOLOR!

Ficamos aqui com mais um bate-papo soberano e que hoje venha mais uma vitória contra o Figueirense!

Um beijo grande a todos,

Adriane Rbeiro.

@dri_rb

CULÉ

Sábado é dia de final da Champions League. Um jogo que todos que gostam de futebol com certeza não vão perder.

Eu fico imaginando o clima nas ruas nos arredores de Wembley, a ansiedade das torcidas, as provocações nos pubs e claro uma Heineken gelada e o hino da Champions League!

São tantos os motivos para acompanhar esta grande partida, temos o duelo dos treinadores extremamente ligados aos clubes que treinam, falo de Pep Guardiola ainda jovem e que tem as estrelas do Barça nas mãos e do experiente Sir Alex Ferguson que está no comando da equipe vermelha de Manchester a tantos anos e que ainda vibra com cada 3 pontos que conquista na Premier League, o que é fantástico!

Outro motivo são os comandados pelos dois. Jogadores de diversas nacionalidades que vão desde o venezuelano naturalizado espanhol Jeffrén do Barça ao sul-coreano Park dos “Diabos vermelhos” passando por brasileiros, argentinos e muitos outros. Na lista completa podemos encontrar jogadores da Holanda, Polônia, Dinamarca, Inglaterra, França, Sérvia, Irlanda, Irlanda do Norte, País de Gales, Coreia do Sul, Portugal, Escócia, Equador, Bulgária, México, Noruega, Espanha, Mali, países que possuem pelo menos um jogador nos elencos das duas equipes.

Isso demonstra a força midiática da partida, só que nem tudo isso tira o motivo principal importância principal da partida que no meu ponto de vista é ver um grande, um espetacular jogo de futebol, talvez o confronto entre as duas melhores equipes do mundo no momento, o confronto de dois campeões nacionais.

Quero ver um jogo cheio de emoções, onde as duas equipes em campo coloquem o melhor. Quero ver Rooney, Giggs e Chicharito Hernandez e companhia jogando tudo que podem. Do mesmo jeito que quero ver o futebol arte do Azul-grená do Barcelona com atuações que entrem para história de Iniesta, Xavi, Dani Alves e Messi..

Confesso que em meio a uma excelente disputa quero que o Barcelona saia vitorioso, para que todos os culés comemorem em Wembley, Londres e toda Calalunya.

Vendo todos os preparativos para esta grande final lembrei dos confrontos dos dois times que torço São Paulo e Barcelona e pesquisando vi que é um confronto muito equilibrado. Ao todo foram 4 jogos: O primeiro em 1969 pelo Troféu Mohamed, disputado em Casablanca, no Marrocos onde deu Barcelona por 2 x 0 e o último em 1993 pelo Troféu Teresa Herrera, Torneio que é disputado em La Coruña todos os anos e também deu Barcelona por 1 x 0.

Agora teve o ano em que o São Paulo traumatizou o então dream team do Barcelona treinado por Johan Cruijff, o ano de 1992. O primeiro jogo aconteceu no dia 15 de agosto, uma prévia do que seria a final do Mundial de clubes no Japão daquele ano e deu Tricolor, não por um placar apertado, mas por 4 x 1 de virada como segue abaixo:

15 de agosto de 1992

 

BARCELONA 1 x  4 SÃO PAULO

 

Troféu Teresa Herrera  Final

 

Estádio Riazor – La Coruña  Galícia/Espanha

 

Barcelona: Zubizarreta; Herrera (Busquets), Nadal, Koeman e Soler; Bakero (Juan Carlos), Amor, Witschge e Beguiristáin; Stoichkov (Goikoetxea) e Salinas. Técnico: Johan Cruijff.

São Paulo: Zetti; Cafu, Adílson, Ronaldão e Ivan; Pintado, Dinho, Raí e Palhinha (Maurício); Macedo e Müller. Técnico: Telê Santana.

ARVE Error: no id set

 

Gols: Salinas aos 3 e Müller aos 9 minutos do primeiro tempo; Maurício aos 2 e Raí aos 15 e 18 minutos do segundo tempo.

 Cartão Vermelho: Zubizarreta.

O outro é o que todos nós conhecemos e não cansamos de ver e rever, foi o primeiro título mundial definido com aquela cobrança de falta fantástica do Raí. Que na soma dos dois jogos daquele ano marcou 4 vezes.

Toyota Intercontinental Cup -1992

Data: 13/12/1992

Estádio: Nacional

Cidade: Tóquio – Japão

Árbitro: Juan Carlos Loustau

Público: 60.000

 

FC Barcelona: Andoni ZUBIZARRETA Urreta – EUSEBIO Sacristán Mena – AlbertFERRER Llopis – Ronald KOEMAN – Richard Peter WITSCHGE – José Mari BAKERO / captain – (Jon Andoni GOIKOETXEA Lasa) – Josep Guardiola Sala – Guillermo MartínezAMOR – Aitor BEGUIRISTAIN Múgica – (Miguel Ángel NADAL Homar) – HristoSTOICHKOV e Michael LAUDRUP.

Treinador: Johannes Hendrik JOHAN Mourinho.

 

São Paulo FC: Armelino Donizetti Quagliato ZETTI – Claudemir VITOR – ADILSON José Pinto – Ronaldo Rodrigues de Jesus RONALDÃO – RONALDO LUÍS Gonçalves – Luís Carlos Preto de Oliveira PINTADO – Antônio Carlos Toninho CEREZO – Marcos Evangelista de Moraes Cafu – RAI Souza Vieira de Oliveira / captain – Jorge Ferreira da Silva PALHINHA – Luís Antônio Corrêa da Costa MÜLLER.

Treinador: TELÊ SANTANA da Silva.

ARVE Error: no id set


Gols: Hristo STOICHKOV (1:0) – 12 – RAÍ Souza Vieira de Oliveira (1:1) – 27′ – RAÍ Souza Vieira de Oliveira (2:1) – 79 ‘.

Na soma de todos os jogos entre os dois times como segue a lista completa abaixo: São duas vitórias para cada lado.

30/08/1969- São Paulo 0 x 2 Barcelona, Tofreu Mohamed, em Casablanca, no Marrocos

 

 

15/08/1992- São Paulo 4 x 1 Barcelona, Trofeu Teresa Herrera, em La Coruña, Espanha

 

 

13/12/1992- São Paulo 2 x 1 Barcelona, Copa Intercontinental, em Tóquio, Japão

 

 

14/08/1993- São Paulo 0 x 1 Barcelona, Trofeu Teresa Herrera, em La Coruña, Espanha

 

Total de Jogos: 04

São Paulo FC: 2 V, 0 E, 2 D, 6 GM, 5 GS, Saldo: 1

Precisamos jogar mais um mundial para desempatar este histórico contra o Barcelona e também para talvez ter a chance de fazer o primeiro duelo da história contra o Manchester United.

Como já disse  e alguns de vocês já sabem sou um tricolor/culé (torcedor do Barcelona) então neste sábado torcerei sem sombra de dúvidas para o Barça levar a taça e se tornar Tetra Campeão da Champions e você para quem vai torcer?

Por Claudio Rosa

@claudiorosa

[LANCENET] CENI RECEBE INDENIZAÇÃO DE COMENTARISTA

Rogério Ceni acaba de receber R$ 57 mil de Milly Lacombe por danos morais. O goleiro, acusado por ela de forjar documentos para obter aumento salarial, já tinha ganho a causa em primeira instância. A ex-comentarista de TV recorreu, mas topou pagar cerca de 1/3 do pleitado para dar fim à confusão.

Em 2006, Milly afirmou durante um programa da SporTV que Ceni falsificou a assinatura de um representante do Arsenal (ING), em uma suposta proposta de contrato. O goleiro ligou à emissora, entrou ao vivo e avisou que a processaria por calúnia. O pedido inicial foi de R$ 30 mil, que convertido daria R$ 150 mil atuais.

Cansado do imbróglio e disposto apenas a dar uma lição na jornalista, em nome de sua honra e credibilidade, Ceni optou pelo acordo. Ciente do erro, já que não tinha provas da falsificação, Milly logo aceitou. A homologação foi feita no Tribunal de Justiça.

Fonte:

Para quem não viu na época, segue os videos do ocorrido:

ARVE Error: no id set

ARVE Error: no id set

[SITE OFICIAL] JUAN ADMITE: “SEI POSSO MELHORAR”

Foto: Rubens Chiri

Logo que chegou ao São Paulo, o lateral-esquerdo Juan tomou conta da posição. Das 28 partidas disputadas pelo Tricolor na temporada, o jogador esteve presente em 25, atrás somente de Rogério Ceni (28) e Jean (27).

Durante o ano, ele ainda não marcou seu tão sonhado gol com a camisa tricolor. Por outro lado, já deu duas assistências para gol: Treze-PB e Santa André. Ciente de seu potencial, Juan sabe que precisa melhorar seu rendimento em campo e trabalhará para isso acontecer o quanto antes.

“Primeiro ano no clube é sempre complicado. Sei que posso melhorar. Estou me esforçando para isso. Estou procurando fazer o que o Paulo (Carpegiani) me pede. Procuro fazer minha parte tática corretamente e acho que estou indo bem nisso”, ressaltou o camisa 16.

Para a posição, além de Juan, o técnico Paulo César Carpegiani tem à disposição Henrique Miranda, que subiu para o elenco profissional este ano. Já Junior Cesar deixou o clube recentemente e irá disputar o Campeonato Brasileiro pelo Flamengo.

Fonte: Site Oficial SPFC

E SE O TÉCNICO FOSSE VOCÊ?

Saudações Nação,

Após os fracassos nas decisões, o clima não anda nada bom pelos lados do Morumbi.

A causa principal do mau estar no Maior do Mundo é a continuidade de Paulo Cesar Carpegini.

A torcida já não aceita a presença de PCC a frente da equipe do Morumbi, após constantes erros em escalações e a “rixa” com Rivaldo, que foi aberta ao público na eliminação em Santa Catarina.

Sendo assim, vamos anunciar o próximo técnico do #SPFC e ele é… VOCÊ!

Vamos imaginar que nós somos os novos técnicos do tricolor, e em um exercício simples, vamos escalar o São Paulo. Como vocês fariam?

Essa é a minha escalação, feita pelo aplicativo do site oficial do clube:

Explicarei…

No gol, o obvio: Mito Rogério Ceni;

Escolhi o esquema de 3-5-2, pois vejo o melhor levando em conta as características dos jogadores no nosso elenco, mas especificamente os laterais que são mais alas.

Na defesa; Rhodolfo (nosso melhor zagueiro na atualidade), Bruno Uvini ( mais uma promessa do São Paulo) e Miranda (que será substituído por Coates). A ausência é Alex Silva, nesta quarta-feira o #SPFC anunciou que o Zagueiro não faz mais parte dos planos pro resto da temporada, convenhamos que ele não era mais o mesmo desde sua expulsão diante do Palmeiras . Alex foi liberado para decidir seu futuro junto ao Hamburgo.

Meus alas são: Ilsinho que apoia com muita qualidade e Henrique Miranda (claro que sendo escalado aos poucos nos “profissionais”), muito bom jogador, demonstrou sua qualidade na Copa São Paulo deste ano.

Sendo 3 os zagueiros, acredito que com um volante e a participação de todos, nosso sistema defensivo estará seguro, e por isso escalei Wellington, outra jovem promessa tricolor, com um potencial enorme. Ela anulou Conca no último fim de semana.

Dai pra frente, a qualidade tricolor em ação, Lucas e Rivaldo armando (ainda não vi esses dois atuarem juntos, vivo na expectativa desde a contratação do camisa 10).

E na frente: Dagoberto (nosso jogador mais constante em 2011) e o Fabuloso.

Observem que tento mesclar juventude e experiência em todos os setores: Lucas/Rivaldo; Uvini/Rhodolfo deixando um time equilibrado.

Esse seria o meu São Paulo, qual seria o de vocês?

Abraços

Júlio Ramos

@Juhlio10  é São Paulino e integrante da equipe e-commerce da A Esportiva. É um dos criadores e administradores do blog @os_soberanos, escrevendo seus textos às quintas.

[GLOBO ESPORTE] APÓS 143 JOGOS E 12 GOLS, ALEX SILVA NÃO JOGARÁ MAIS PELO SÃO PAULO

Foto: Vipcomm

Alex Silva não joga mais pelo São Paulo. Nesta quarta-feira, o clube paulista decidiu liberar o jogador para resolver seu futuro e não utilizará mais o atleta em partidas pelo Tricolor. O contrato de empréstimo do zagueiro termina no dia 31 de julho e só não foi rescindido porque São Paulo e Hamburgo – dono dos direitos federativos do jogador – ainda precisam discutir alguns detalhes contratuais. Ainda nesta semana, o camisa 3 viajará para a Alemanha para resolver a sua situação.

O São Paulo divulgou uma nota oficial informando apenas a liberação do atleta para resolver o futuro com o Hamburgo, sem dar mais detalhes sobre a não utilização do zagueiro.

Anteriormente, o São Paulo chegou até a anunciar que compraria o jogador em definitivo, mas não levou a ideia adiante por alegar falta de recursos. Mas a verdade é que Alex Silva desagradou a cúpula por algumas atitudes, como críticas públicas ao presidente Juvenal Juvêncio e diretores. Nesta quarta, o jogador reuniu-se com o diretor de futebol, Adalberto Baptista e pediu para ser liberado, o que foi prontamente aceito.

O clube alemão, em dificuldades financeiras, tem interesse em negociar Alex em definitivo com outra equipe. Santos e Corinthians já demonstraram interesse no zagueiro, que fez 143 jogos com a camisa do São Paulo e marcou 12 gols.O Sporting (POR) também quer o atleta.

E FOI DADA A LARGADA

Saudações, Soberanos!

Finalmente chegou o tão esperado 21 de maio e foi dada a largada no Campeonato Brasileiro.

Começa a corrida dos 20 clubes, que vêm se preparando há alguns meses para o Campeonato mais importante do país. E para o SPFC, que vem colecionando insucessos há algum tempo, é hora de acordar. Ao meu ver, o Brasileirão é um dos campeonatos mais disputados, com mais de 10 times que têm chances reais de vencer a disputa.

O Campeonato Paulista e a Copa do Brasil tiveram finais tristes e precoces para o SPFC. Agora o ritmo é outro. Serão 20 clubes que brigarão com unhas e dentes para garantir as primeiras posições na tabela e também para escapar da degola na parte de baixo. Por isso digo que é hora do time acordar. Recuperar a garra e a vontade de vencer, levar o torneio a sério. Esquecer as birras e diferenças e realmente se comportar como um TIME, um TIME que joga para 18 milhões de apaixonados que estão com sede de vitórias e títulos.

Serão longos 7 meses, e por mais que o começo contra o Fluminense tenha sido um sinal de melhora, temos que manter o ritmo durante as outras 37 rodadas. É a hora de entrar em campo como guerreiros que somos, dar o nosso melhor, e nos fazer novamente dignos do nome e grandeza que ostentamos.

É hora de se recuperar da “crise” que se instalou no Morumbi. Contratar, utilizar jogadores que não estão sendo utilizados, adaptar-se a novos esquemas de jogo. Gostando ou não do técnico, a diretoria decidiu que é Carpegiani que ficará por um tempo e temos que lidar com isso. O departamento médico do SPFC nunca teve tantos jogadores se recuperando. Perdemos vários jogadores, e o SPFC precisa contratar, principalmente no setor defensivo, que é o que apresenta mais urgência. Nesse ano não será o Jason voltando, mas sim a fênix. O São Paulo renascerá das cinzas para voltar a brilhar. A corrida do ouro já começou. E eu, mais uma vez, apoiarei o time até o fim. E você, o que me diz?

ARVE Error: no id set

@_isaa_ferreira

Isadora Ferreira é de Boa Esperança do Sul; comentarista do @CanalBarça e colunista do @os_soberanos. Seus textos são publicados às quartas-feiras.