MURAL 75 ANOS DE GLÓRIAS #SPFC

Saudações Soberanos!!!

Hoje é um dia muito especial pra nós Tricolores, é aniversário do Maior do Mundo, 75 anos  do time que tanto amamos e nos dá muito orgulho.

A nossa história é repleta de glórias, essas três cores nos enche de alegrias.

Muito bom comemorar esse aniversário junto com vocês!!!E pra homenagear nosso Amado Tricolor do Morumbi, hoje vamos postar fotos da nossa Nação SOBERANA.

Venha comemorar conosco.

ARVE Error: no id set

As São Paulindas Shirley,Neide,Ana Julia e Mariane.

Mariane,Ana Julia,Mayra e Shirley!!!

Kátia Oliveira (@_bonekaah) – Osasco – SP

Lucas Pinaff – SP

Kaio Alencar – Itaquá – SP

Mayara Duarte – Mogi Mirim – SP

Junior e seu filho Renan – Natércia – MG

Maftei Cheles (@Maftei_cheles) – Aichi-ken Komaki-shi – JAP

Julio Ramos (@Juhlio10 – @os_soberanos) – Santo André – SP

Dá uma olhada na coleção do garoto rs….

Talita Carvalho (@tah_carvalho) – Sumaré – SP

Natalia Ferreira ( @ferreiraNaty3) – Ourinhos – SP

Lucas Pinaff (@lucaspinaff) São Paulo – SP

Olha a coleção SPFC

Isa

Tatiane Carvalho (anne_carvalhoo) Sumaré – SP

Adriana Moraes – São Paulo – SP

Michel Iunes – São Paulo – SP

Ivan e Nicole – São Paulo – SP

Adna Santiago (Adna6-3-3)– Bahia

Cristiano Damasceno (@cdsdamasceno) – Chacara Santo Antonio – SP

Gustavo, Kelliane Vilela (@kellianevilela, @os_soberanos),Ricardo Souza, Kátia Jackson (@katia_jackson) e Fernando Damasceno

Muka (@MukaSpider)

Adriana Roa (@drikaroa, @os_soberanos) – Dourados – MS

Rafael Kamada

Bruna Santos – Goiania – GO

João Paulo Cabral – São Manoel – SP

Lays (@laah_spfc) – São Paulo

Renan (@thegatto) São Paulo – SP

Cristiano Ricardo Silva (@criss00) – Uberaba – MG

Átila no Hopi Hari

Sobrinho do Átila

Roberta

Diane (@diii29, @os_soberanos) São Paulo SP

Ainda falta você aqui #SOBERANO nos envie sua foto no e-mail soberanosoficial@globomail.com

ENSINAMENTOS: DE PAI PRA FILHA!

 

Minha história com o Tricolor, o MAIS QUERIDO, começou muito antes do meu nascimento.

Em 77 meu Pai, Ângelo, explodia de alegria com a conquista inédita do tricolor: o 1º Brasileirão, desde então, minha mãe conta que foi uma febre, meu Pai se vestia da cabeça aos pés com as cores do Tricolor.

Passado algum tempo, me possibilitaram vir ao mundo. Já nasci campeã, pois em 86, quando nasci o SPFC conquistou o bi-campeonato brasileiro, e como meu Pai fez anos atrás, chegou a minha vez de me vestir com manto DO MAIS QUERIDO e, daí em diante éramos unidos, tipo um só. Vivemos momentos inexplicáveis em que eu era acordada aos gritos de gol, aos gritos de VAMO SÃO PAULO, e aos gritos da minha mãe chateada com a festança toda.

Os anos foram se passando, cada um deles especialmente marcado pela historia do SPFC em minha vida. Este clube que, apesar de, na época, eu não entender a grandeza do que acontecia, era um perfeito elo, unindo eu ao meu Pai a cada dia.

Em 1991, o Tri-campeonato Brasileiro. Em 1992, seis anos de idade, me lembro muito bem que já tinha autorização da minha mãe para participar das comemorações nas ruas da minha pequena cidade, junto com o meu Pai. Desta forma, começava o sentimento agir independente de meu Pai, pois eu deixava de apenas acompanhá-lo, eu passava a fazer parte dos acontecimentos, que aliás, foram brilhantes: o 1º título da LIBERTADORES, o 1º MUNDIAL o sentimento foi do tipo, primeiro amor estilo Macaulay Culkin, aquele amor de criança, puro e sincero, que fazia parte da comemoração, que chorava durante os jogos, que ficava rouca, enlouquecida!!!

Em 1993, foi a explosão do amor verdadeiro, não me lembro de detalhes de todos os jogos da LIBERTADORES, mas, com certeza a final, a consagração do Zetti, a invasão tricolor no gramado, o grito de Bi-Campeão os LIBERTADORES DA AMÉRICA, isso esta gravado e cravado no peito, como a conquista do MUNDIAL no mesmo ano, os narradores dos diversos canais, enlouqueciam gritando que o SPFC era o DONO DO MUNDO.

Após viver as emoções da LIBERTADORES as atenções voltaram para o Brasileirão. Em 2006, veio o presente de aniversário (20 aninhos) o Tetra-Campeonato do Brasileirão, fiquei enlouquecida, ao ponto de perder a voz, e ir pra rua comemorar com a galera.

*.*

Destaque pessoal: nesta época existiam grandes problemas familiares, separação dos meus pais, nos meus 17 anos, a indignação por ver a MÃE traída e maltratada emocionalmente, revolta que fez com que Eu me afastasse de meu Pai em 2003, culminando com a mudança para outra cidade em 2004. Longe da família e dos amigos, minha diversão, minha glória e realização, era viver e respirar SPFC, morando sozinha mas, com a sensação de ser acolhida por milhões da Família Tricolor.

Voltemos ao SPFC:

Sentimento igual ao vivenciado em 1993, repetiu-se em 2005 com o Tri-campeonato. Foi a Glória o AMOR MAIOR, Rogério Ceni um Espetáculo a parte, um guerreiro predestinado a vencer, dedicado ao extremo ao seu bem maior (SPFC). Neste ano minha sobrinha, Mayra (filha do meu irmão Santista), transformou-se em São-paulina alucinada como eu, ela que antes torcia só para o Rogério Ceni Futebol Clube vai a loucura com a conquista da LIBERTADORES, entrando em êxtase com o MUNDIAL do mesmo ano, através do gol do oportunista e ‘monstro sagrado’ Mineiro. Comemoramos o dia todo, só as duas, fazendo aquele churrasco enlouquecidas.

Mas, algo me faltava nesta comemoração… sentia a falta de meu velho Pai, e, sem pensar duas vezes, peguei o telefone e liguei pra ele, após quase dois anos (2003 – 2005) que eu fiquei sem ouvir a sua voz. Quando ele disse ¡Hola! (ele é Brasiguai = Brasil/Paraguai), eu pedi sua benção e, o silêncio imperou, daí num passe de mágica ele perguntou se eu tinha assistido ao jogo, as lágrimas eu disse que sim e ele disse q acompanhou tudo pelo rádio (tortura). Desde então, o nosso amor ressurgiu, graças ao amor que depositamos ao SPFC.

A partir desta data, comemoramos grandes conquistas, como o BRASILEIRÃO em 06, 07, 08. Não sem sofrimento, sem dedicação, pelo contrário teve muita garra por parte dos nossos guerreiros que atendem pelo pseudo de JOGADORES DE FUTEBOL. Passando por momentos de descrenças, ressurgindo a partir do 1%, matematicamente impossível, assim o SPFC se fez ao longo destes 6-3-3.

E, assim, eu fui e vou vivendo paralela as conquistas do MAIS QUERIDO, conquistando meus objetivos e realizando os meus sonhos. O SPFC me acompanha em todos os momentos, durmo e acordo pensando nele, desde a música de formatura a entrada com a bandeira do GLORIOSO, no ápice da festa. Eu e meu velho Pai de braços dados, com a Bandeira do SPFC, para loucura dos convidados.

Te amarei pela eternidade porque é a razão de muitas alegrias e felicidades na minha vida, meu glorioso e amado SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE!

*Agradecimento especial ao amigo, MAFTEI CHELES!!!

Saudações Tricolores!!!

Adriana Roa

http://twitter.com/drikaroa